sexta-feira, 29 de junho de 2012

Erundina espera ação articulada de países para desvendar desaparecimentos durante Operação Condor


A presidenta da Comissão da Verdade da Câmara, deputada Luíza Erundina (PSB-SP), disse hoje (29) que os debates que ocorrerão em meio ao Seminário Internacional Operação Condor, marcado para os dias 4 e 5 de julho, podem trazer à tona informações sobre desaparecidos políticos no período da ação, ocorrida nos anos 1960.
Articulada pelos governos militares do Brasil, da Argentina, do Chile, Paraguai e Uruguai, com o apoio do governo norte-americano, a Operação Condor tinha como objetivo coordenar a repressão a opositores dessas ditaduras e eliminar líderes de esquerda instalados nos seis países do Cone Sul.
“A gente espera conseguir informações e localizar pessoas que foram vítimas da Operação Condor. Temos brasileiros que foram vítimas da repressão política, que desapareceram, foram eliminados e esperamos obter informações que virão de outros países. Esperamos que esse seminário traga luz a esses fatos horríveis”, destacou Erundina, uma das organizadoras do seminário.
Segundo ela, de acordo com registros fornecidos por sobreviventes e familiares, existem ainda cerca de 140 brasileiros desaparecidos no período da Operação Condor. “Quem sabe com essa iniciativa de trazer especialistas, advogados, jornalistas, pesquisadores se desvende fatos ainda obscuros e também se crie uma opinião pública para uma ação articulada entre o Brasil e outros países?”, argumentou a deputada.
Em dois dias de encontro, serão feitos debates sobre a perspectiva história da operação e também discussões sobre a ação político-militar ocorrida no Brasil, na Argentina, no Paraguai, Uruguai e no Chile. Também será debatida a participação dos Estados Unidos na Operação. Para Erundina, o debate visa também a tornar a Operação Condor mais conhecida na sociedade.
“Queremos tornar essa operação mais conhecida. É escasso o conhecimento da maioria dos brasileiros a respeito da Operação Condor. Ela foi tão decisiva na perseguição dos opositores aos regimes. Os governos dos países envolvidos estão a dever a seus povos uma posição pública de perdão ”, disse. Ela acrescentou que busca a parceria da Comissão de Anistia.
A deputada acredita ainda que o debate poderá abrir a discussão a respeito da possibilidade de revisão da Lei da Anistia no Brasil. Segundo ela, que é autora de uma projeto de lei sobre o tema, o Brasil desrespeita acordos internacionais ao permitir que autores de crimes contra a humanidade sejam beneficiados pela Lei da Anistia.
“Vamos pressionar a sociedade [pela mudança da Lei da Anistia]. Essa é uma das bandeiras. Temos que criar uma grande campanha exigindo a mudança, uma reinterpretação do Artigo 1º da lei, que anistia os que cometeram crime de lesa-humanidade”, explicou Erundina.

Por Ivan Richard Repórter da Agência Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja Bem Vindo, Participe!

Curta a nossa pagina

Ocorreu um erro neste gadget

Participe do grupo no Facebook

Pesquisar

Ocorreu um erro neste gadget
“Este é tempo de divisas, tempo de gente cortada. É tempo de meio silêncio, de boca gelada e murmúrio, palavra indireta, aviso na esquina.”
Carlos Drumond de Andrade