terça-feira, 21 de agosto de 2012

O QUE SE ENSINA AOS NOSSOS MILITARES?

Fabio Libertario Nas eleições 2010 achávamos que seria voar em céu de brigadeiro a eleição de Dilma Houssef. Ao menos os petistas e outros setores assim pensavam.Tivemos um governo muito bem sussedido com Lula que encerrava seu segundo mandato quebrando records de preferência popular.  Entretanto,é verdade que com um  esforço descomunal e muito jogo sujo, a direita conseguiu reverter e adiar sua derrota até o segundo turno. Alguns setores se revelaram claramente como opositores do projeto lulo-petista, destacando-se os fundamentalistas cistãos, espalhados entre as diversas igrejas, desde católicos, evangélicos, principalmente aqueles que se reúnem nas que são denominadas neopentecostais. Outros grupos também se posicionaram assim, mas não vale a pena se estender a eles. O que me importa aqui são os militares. Estes protagonizaram em nossa história recente algumas de suas páginas mais sinistras. Como se comportaram eleitoralmente? temos esse estudo? não vi ainda.Dos poucos em que pude ter conhecimento de suas posições se alinhavam claramente em torno das posições à direita, não escondendo seu antipetismo raivoso. Alguns até toleravam ao Lula, mas o PT era sempre execrado. Mas tenho de recohecer que isso não é fruto de uma pesquisa feita dentro das regras da estatística e do método científico, e sim uma experiência empírica que não nos autoriza a generalização. Mas fiquei intrigado. Será que depois de quase 30 anos do fim do regime militar, nossos militares continuam a pensar como   Mourão Filho, Castelo Branco, Golberi,Médici, Geisel, e tantos outros que, fizeram da Doutrina da Segurança Nacional. uma base intocada e alicerce mais profundo do pensamento militar brasileiro até os dias de hoje?  Não seria o caso de se perguntar sobre o que se ensina e se aprende em nossas academias miltares?  



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja Bem Vindo, Participe!

Curta a nossa pagina

Ocorreu um erro neste gadget

Participe do grupo no Facebook

Pesquisar

Ocorreu um erro neste gadget
“Este é tempo de divisas, tempo de gente cortada. É tempo de meio silêncio, de boca gelada e murmúrio, palavra indireta, aviso na esquina.”
Carlos Drumond de Andrade