sexta-feira, 15 de julho de 2011

Prisão perpétua para dois ex-militares



Dois antigos militares argentinos, hoje octogenários, foram esta sexta-feira condenados a prisão perpétua por 156 crimes contra a humanidade cometidos durante a ditadura militar na Argentina. Outros cinco ex-guardas receberam penas entre 18 e 22 anos de prisão.

O ex-general Hector Gamen, de 84 anos, e o ex-coronel Hugo Pascarelli, de 81 anos, são culpados dos crimes ocorridos na prisão de El Vesubio, onde foram torturadas cerca de 2.500 pessoas, sobretudo opositores à ditadura militar, entre 1976 e 1978.

O tribunal de Buenos Aires decretou a pena de prisão perpétua «por homicídios agravados, detenções ilegais e torturas», tendo sido condenados, entre outros, pelo desaparecimento de dois cidadãos franceses – Françoise Dauthier e Jean-Marcel Soler – e pela morte de uma alemã, Elisabeth Käseman.

Para além disso, foram acusados pelos desaparecimentos do escritor Haroldo Conti, do autor de banda desenhada Hector Oesterheld e do encenador Raymundo Gleyzer.

Outro cinco ex-guardas de El Vesubio também foram condenados, desta feita a penas entre os 18 a 22 anos de prisão.

Estima-se que durante a ditadura na Argentina tenham sido raptadas, torturadas ou assassinadas cerca de 30 mil pessoas, ficando conhecida como «Guerra Suja».

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja Bem Vindo, Participe!

Curta a nossa pagina

Ocorreu um erro neste gadget

Participe do grupo no Facebook

Pesquisar

Ocorreu um erro neste gadget
“Este é tempo de divisas, tempo de gente cortada. É tempo de meio silêncio, de boca gelada e murmúrio, palavra indireta, aviso na esquina.”
Carlos Drumond de Andrade