sábado, 17 de novembro de 2012

Comissão da Verdade Suruí vai colher depoimentos sobre a participação dos índios na Guerrilha do Araguaia



Ivan Richard
Brasília - A Comissão Nacional da Verdade (CNV) oficializou a criação de uma comissão indígena, da etnia Suruí, que atualmente vive na Terra Indígena Sororó, no sudeste do Pará, para colher relatos de torturas e desaparecimentos durante a Guerrilha do Araguaia, ocorrida no início da década de 1970.

Denominado de Comissão da Verdade Suruí, o grupo será composto por índios mais jovens da etnia que tomarão o depoimento dos mais velhos sobre torturas, agressões cometidas por militares durante as ações militares na região com objetivo de combater guerrilheiros. Os dados serão, em alguns casos, traduzidos para o português e repassados para a Comissão Nacional da Verdade, que fará a análise posteriormente.
Ontem (16), a psicanalista Maria Rita Kehl, membro da Comissão Nacional da Verdade retomou o diálogo com os índios da Terra Indígena Sororó. Em outubro, integrantes da CNV estiveram no local para dar início a uma série de atividades no interior do Pará para averiguar questões relativas à Guerrilha do Araguaia.
A ideia é fazer uma análise, por exemplo, da atuação da etnia Suruí durante a guerrilha. Existem informações sobre a exploração de indígenas do grupo pelos militares e de sacríficos das vítimas. Há ainda relatos sobre a prisão, proibição de caça e tortura.
A Comissão Nacional da Verdade também formalizou ontem a criação de um grupo de trabalho que será responsável por fazer um relatório sobre o desrespeito aos direitos humanos dos índios e de camponeses durante a Guerrilha do Araguaia. De acordo com a Comissão da Verdade, 44 camponeses do interior do Pará foram indenizados e receberam o pedido de desculpas formais do Estado pela Comissão da Anistia por perseguições sofridas.
Hoje (17), Maria Rita Kehlde participa de audiência pública na Câmara de Vereadores de Marabá, para discutir as violações dos direitos de camponeses e indígenas pelo Exército durante a Guerrilha do Araguaia. Amanhã(18), ela ouvirá o depoimento de ex-soldados que atuaram no conflito.
(Agência Brasil) - Edição: Aécio Amado

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja Bem Vindo, Participe!

Curta a nossa pagina

Ocorreu um erro neste gadget

Participe do grupo no Facebook

Pesquisar

Ocorreu um erro neste gadget
“Este é tempo de divisas, tempo de gente cortada. É tempo de meio silêncio, de boca gelada e murmúrio, palavra indireta, aviso na esquina.”
Carlos Drumond de Andrade