sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Trecho do livro de Marco Lisboa sobre a guerrilha do Araguaia:

Marco Lisboa Foto Facebook
 
As cinzas de João Amazonas, morto em 2002, foram espalhadas num terreno no município de Xambioá, perto de onde seria construído um memorial à guerrilha. Pela terceira vez, ele retornou à região. Por uma destas ironias da história, em 2005, o prefeito do Município destruiu o jardim com cerca de 30 metros quadrados onde estavam espalhadas as cinzas.
No local havia um rústico mausoléu murado, com quatro mastros, que serviriam para o hasteamento das bandeiras do Brasil, de Tocantins, de Xambioá e do PC do B. Além de uma pequena obra de alvenaria, com uma placa alusiva ao dirigente e a pedra fundamental do obelisco, já desenhado por Niemeyer, em homenagem aos guerrilheiros mortos. Segundo reportagem do jornal Tribuna da Imprensa de março de 2005:
“Em poucos minutos, o trator da prefeitura moeu o que havia de concreto e ferro, removeu o solo e arrancou toda a vegetação do terreno de nove mil metros quadrados, que o prefeito Santiago Pereira já desapropriou.
De um bosque com dezenas de árvores centenárias, só ficou um pé de pequi. A área será cedida ao Governo do Estado de Tocantins para abrigar um dos maiores complexos de fiscalização da receita estadual. Serão construídos uma delegacia fiscal, as instalações da coletoria e uma balança para pesagem de caminhões de carga. Com orçamento e licitação já definidos, as obras terão início nos próximos dias.
Constituirão um cenário bem diferente ao da zona liberada que o PC do B imaginava estabelecer no frustrado sonho dos comunistas. Situada na confluência do Pará, Tocantins e Maranhão, Xambioá é considerada o berço da guerrilha, preparada a partir do fim de 1966 com a chegada à região dos primeiros ativistas treinados na China. A luta, iniciada em abril de 1972, durou quase três anos e foi à maior ação da esquerda armada depois do golpe de 1964.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja Bem Vindo, Participe!

Curta a nossa pagina

Ocorreu um erro neste gadget

Participe do grupo no Facebook

Pesquisar

Ocorreu um erro neste gadget
“Este é tempo de divisas, tempo de gente cortada. É tempo de meio silêncio, de boca gelada e murmúrio, palavra indireta, aviso na esquina.”
Carlos Drumond de Andrade