segunda-feira, 9 de abril de 2012

Golpe de 64 sustentou carreira militar de Curió

O currículo impõe respeito. Ex-agente do Serviço Nacional de Informação (SNI), ex-membro do Conselho de Segurança Nacional (CSN), braço direito do ex-presidente da República João Batista Figueiredo, homem de confiança do general Newton Cruz, primeiro chefe do garimpo de Serra Pelada, ex-deputado federal pelo PDS, partido de apoio ao regime militar, coronel da reserva, ex-prefeito de Curionópolis, município cujo nome lhe homenageia, Sebastião Rodrigues de Moura ainda é, mesmo assim, um mistério a ser decifrado.

Entre militares que compartilham dos ideais do golpe militar de 64 e antigos garimpeiros de Serra Pelada, Curió é um mito, um nome a ser lembrado com honras. Para militantes de movimentos sociais e remanescentes oposicionistas da ditadura militar, um criminoso no mesmo nível de oficiais nazistas. A tentativa de levá-lo a Justiça, feita recentemente pelo Ministério Público Federal, dividiu opiniões. Colunistas como Reinaldo Azevedo e editorialistas de grandes jornais, principalmente os que argumentam em favor da tese da ‘ditabranda’, classificam de oportunismo demagógico a iniciativa dos procuradores da República. Entidades ligadas a direitos humanos acreditam que, ao contrário, é uma forma de reparar injustiças históricas.

CURIÓ EM SILÊNCIO

Vivendo em Brasília, às margens do poder que sempre lhe coube de sombra, talvez passe os dias pensando nos próprios passos, imaginando que não chegaria tão longe. Na memória, é possível que reveja o dia ensolarado quando, ao fim da Segunda Guerra Mundial, assistiu a um primo ser recebido como herói na cidadezinha de São Sebastião do Paraíso, sul de Minas Gerais, lugar onde nasceu. O primo havia servido na Força Expedicionária Brasileira (FEB). Sebastião, um incipiente lutador de boxe, filho de um barbeiro, sentiu admiração pelo parente. E uma pontada de inveja. Decidiu seguir o caminho da farda. Seria uma carreira obscura, banal, não fosse o golpe militar de 1964. Sebastião de Moura mostrou-se logo um dedicado quadro militar. “A revolução de 1964 foi uma resposta ao chamamento da sociedade brasileira”, disse em depoimento à novela Amor e Revolução, do SBT. Atento às mudanças do vento, Moura fez um curso de especialização no Centro de Instrução de Guerra na Selva, do Comando Militar da Amazônia. O aprendizado seria vital para o combate às guerrilhas rurais que começavam a ser planejadas por grupos esquerdistas, inconformados com a guinada à direita do Brasil.

Pode-se dizer que a carreira de Curió como agente da repressão militar teve início na década de 70 no sudeste do Pará, região do Araguaia/Tocantins. Sebastião Curió chegou ao Araguaia como homem forte do Serviço Nacional de Informações (SNI). Tinha carta branca para agir, principalmente depois das duas vexatórias derrotas sofridas pelos militares nas primeiras ações contra os guerrilheiros do PCdoB nas matas.

Curió sabia que muitos erros haviam sido cometidos pelos militares na ofensiva contra os guerrilheiros. Revelou isso em entrevista à revista IstoÉ em 2008. “Eles (os guerrilheiros) conheciam a floresta e a tropa militar colecionava muitos erros, como movimentar 300 homens ao mesmo tempo, roupas inadequadas, combatentes não adestrados e falta de rádios de comunicação. Até homens da guarda palaciana, que nem sabiam o que era selva, estavam lá”, disse à revista. Ele estava lá justamente para corrigir esses erros.

Sebastião Curió chegou à região numa veraneio vermelha, junto a mais quatro companheiros, depois de três dias de viagem cansativa vindo de Brasília. Apresentou-se como funcionário do Incra e só o presidente do instituto sabia a real identidade dele. A primeira parada foi em Xambioá, à época um amontoado de casebres de madeira e barro, com menos de quatro mil moradores, às margens do rio Araguaia. Um misto de orgulho pelo papel que desempenharia e um certo receio pelo que poderia vir a encontrar, dividia o militar no papel de agente infiltrado. Marco Antônio Luchini, doutor “Paulo” e doutor “Tibiriçá” foram alguns pseudônimos usados por Sebastião Moura para se aproximar dos posseiros. A missão era uma só: sufocar a Guerrilha do Araguaia. Policia Federal e o Exército serviam de retaguarda para ele. A atuação enérgica contra os inimigos faria com que a fama se estendesse por todo o país. Depois que conseguiu ser vitorioso contra os guerrilheiros, destroçando qualquer possibilidade de reação, Curió passou a ter amplos poderes. Era o próprio Estado numa região de difícil acesso e de ausência quase total da União. Tornou-se uma espécie de ‘Kurtz’ da Amazônia, uma referência ao personagem de Joseph Conrad que originou o filme ‘Apocalipse Now’. Militar é designado para missão secreta no Vietnã e depois se torna uma espécie de ‘mito’ entre nativos da selva. (Diário do Pará)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja Bem Vindo, Participe!

Curta a nossa pagina

Ocorreu um erro neste gadget

Participe do grupo no Facebook

Pesquisar

Ocorreu um erro neste gadget
“Este é tempo de divisas, tempo de gente cortada. É tempo de meio silêncio, de boca gelada e murmúrio, palavra indireta, aviso na esquina.”
Carlos Drumond de Andrade