terça-feira, 19 de março de 2013

Possibilidade de assassinato de Jango é 'muito clara', diz ministra

João Goulart, em seu exílio no Uruguai, é fotografado 
pela mulher, Maria Thereza
A ministra Maria do Rosário (Direitos Humanos) defendeu nesta segunda-feira (18) mais investigações sobre a morte do presidente João Goulart (1961-64), conhecido como Jango. Pela versão oficial, ele foi vítima de um ataque cardíaco em 1976, época em que vivia exilado na Argentina.

Em discurso durante audiência pública da Comissão Nacional da Verdade, Maria do Rosário disse ser "muito clara" a possibilidade de que Goulart tenha
sido assassinado. A jornalistas, mais tarde, afirmou que deve ser avaliado se a exumação dos restos mortais do presidente ajudaria na investigação.
O senador Pedro Simon (PMDB-RS) também esteve no encontro e lembrou que a realização de uma autopsia não foi autorizada na época da morte.

A família do ex-presidente diz acreditar que ele tenha sido envenenado e afirmou no encontro que há muito atraso da apuração. Os familiares pediram uma série de medidas para elucidar o caso, como o depoimento de autoridades estrangeiras.

A Lei da Anistia, que veta a punição de crimes ocorridos durante o regime até 1979, também foi alvo de críticas na audiência em Porto Alegre.

O governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT), disse que o julgamento no Supremo Tribunal Federal que em 2010 manteve a validade de lei "envergonhou" o país.

(FELIPE BÄCHTOLD)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja Bem Vindo, Participe!

Curta a nossa pagina

Ocorreu um erro neste gadget

Participe do grupo no Facebook

Pesquisar

Ocorreu um erro neste gadget
“Este é tempo de divisas, tempo de gente cortada. É tempo de meio silêncio, de boca gelada e murmúrio, palavra indireta, aviso na esquina.”
Carlos Drumond de Andrade